Patrocinador oficial:

__________________________________________________________________________________________________________________________

Sobre o Teflon

image
O material comercialmente conhecido por Teflon corresponde ao polímero conhecido por politetrafluoretileno (PTFE), o qual se enquadra no grupo dos fluorpolímeros.
  O PTFE possui propriedades únicas, o que torna valioso em múltiplas aplicações:
-->

  • tem um ponto de fusão alto;
  • é estável a temperaturas muito baixas;
  • é apenas solúvel em fluor (gás) ou alguns metais derretidos;
  • é extremamente resistente à corrosão;
  • é bastante liso e escorregadio;
Devido a estas propriedades, o Teflon é excelente para revestir componentes mecânicos sujeitos a calor, fricção e desgaste, assim como equipamentos de laboratório resistentes a químicos corrosivos. O PTFE é também utilizado para impermeabilizar produtos têxteis como tecidos, carpetes, papéis de parede, etc. Contudo, talvez a aplicação mais popular deste polímero seja o revestimento  de utensílios de cozinha.
 
-->
image



O Teflon é uma descoberta acidental americana ocorrida em 1938 nos laboratórios da Du Pont, resultante de uma tentativa de produzir o refrigerante tetrafluordicloroetano a partir de ácido hidroclórico e do gás tetrafluoretileno (TFE).

Inicialmente a Du Pont não se apercebeu do valor desta descoberta, a qual se veio a provar útil na 2ª Guerra Mundial, aquando do desenvolvimento da bomba atómica, para armazenar a substância tóxica e corrosiva hexafluoreto de urânio. No decorrer desta guerra, o Teflon passou também a ser utilizado na cobertura dos cones frontais do mísseis. O sucesso destas aplicações conduziu ao registo de patente do PTFE por parte da Du Pont, em 1944, com o nome de Teflon.

Processo de Produção

Existem tipcamente duas formas de produzir PTFE: polimerização por suspensão e polimerização por dispersão. Ambas partilham o primeira etapa, que consiste na síntese do gás TFE.
 
1.  A síntese do gás TFE tem como reagente o fluorspar, hydrofluoric acid, e o clorofórmio, e ocorre numa gama de temperaturas elevada (590 a 900ºC). O gás é purificado por destilação.


  •          Polimerização por Suspensão

2.  A reação de polimerização  ocorre em meio aquoso contendo o iniciador da reação,  e começa com a alimentação de TFE no estado líquido ao reactor. À medida que a polimerização ocorre, grãos sólidos começam a flutuar na água, o que motiva a agitação mecânica intensa do reactor. Controlos automáticos interrompem a reação assim que um peso pré-determinado é atingido no reactor. O reactor é então drenado de água, deixando uma paste de PTFE.

3. O PFTE é seco e moído, transformando-se num pó. Este pó sofre depois aglomeração, transformando-se em pellets. A aglomeração é conseguida, entre outras formas, pela mistura de PFTE com um solvente como acetona, e depois misturado.

4. Os pellets de PFTE são sujeitos a um processo de extrusão que tipicamente lhes confere a forma de biletes: cilindros de PTFE com cerca de 1,5m de altura.

5. Os biletes de PFTE são sujeitos a tratamento térmico durante várias horas, até atingirem gradualmente 360ºC, valor acima do ponto de fusão deste material. Depois de arrefeidos, os biletes estão prontos para comercialização.
 

  •          Polimerização por Dispersão

2. A reação de polimerização é idêntica, mas a agitação mecânica é mais suave, concentrando-se numa camada. Esta camada é depois filtrada, conduzindo a uma dispersão de aspecto leitoso rica em PTFE. Esta forma é mais útil para aplicações como acabamentos e coberturas. 
-->

Fonte: MadeHow

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...