Patrocinador oficial:

__________________________________________________________________________________________________________________________

Sobre trechos do livro Capitalismo Natural: pensamento LEAN

Não se tratando de um livro cujo tema se esgota exclusivamente no universo da engenharia química, Capitalismo Natural, da autoria dos norte-americanos Paul Hawken, Amory Lovins e L. Hunter Lovins, é um livro que apregoa a “Próxima Revolução Industrial”, algo que certamente é do interesse dos engenheiros químicos.

Aproveito para partilhar alguns trechos desta obra, que espero que sirvam de incentivo à leitura deste livro tão interessante.

image     


O pensamento LEAN e a Engenharia Quimica
O pensamento enxuto [LEAN] faz com que o valor definido pelo consumidor flua continuamente com o objectivo de produzir desperdício zero. Juntas, essas práticas os fundamentos de uma nova e poderosa lógica empresarial: em vez de vender ao consumir um produto que você espera que ele use afim de obter o serviço de que realmente precisa, ofereça-lhe o próprio serviço, à taxa e do modo que ele desejar, preste-o da maneira mais eficiente possível (…) .

Esta ideia não é inteiramente nova. Faz muito tempo que 10 milhões de prédios, na França metropolitana, são aquecidos pelos chauffagistas; em 1995, 160 empresas do ramo empregavam 28 mil profissionais. Em vez de vender energia na forma de petróleo, gás ou electricidade – que não é o que consumidor quer, e sim o calor –, essas firmas são contratadas para conservar o espaço do cliente a certa temperatura, durante certo número de horas e a certo custo. A taxa normalmente é um pouco menor que a dos métodos tradicionais de calefação, como os fornos de querosene; a maneira como isso é feito é problema do prestador de serviço, que pode transformar o seu forno em aquecedor a gás, tornar o seu sistema de calefação mais eficiente ou até isolar o seu prédio. Ele é pago pelo resultado – o calor – não pelo modo como o obtém nem pelos insumos de que se serve. Quanto menos material e energia usar – quanto mais eficiente for – mais dinheiro ganhará. A concorrência entre os chauffagistas fez com que caísse o preço de mercado desse “serviço de calor”.
(…)
A Dow Chemical Company faz um negócio extensivo alugando solventes orgânicos, muitos dos quais são tóxicos ou inflamáveis ou as duas coisas. O consumidor que os compra fica com a responsabilidade de manuseá-los e de se desfazer deles com segurança. Contudo,  por meio do aluguer dos produtos da Dow e sua concorrente, a SafetyKleen, os especialistas daquela indústria química fornecem o solvente, auxiliam a sua aplicação, trabalham com o cliente para recuperá-lo e o levam embora. O cliente não é dono dele e, portanto, não arca com nenhuma responsabilidade; o solvente pertence ao fornecedor do “serviço de dissolução”, mas está sempre à disposição da empresa.

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...