Patrocinador oficial:

__________________________________________________________________________________________________________________________

Sobre a indústria de pasta e papel em Portugal, e o contributo português relativamente à pasta de eucalipto



"É o sector mais importante da fileira florestal e aquele que mais apelo faz aos processos químicos, tendo apresentado uma contínua capacidade de crescimento mundial, com o consumo de papel triplicando nos últimos 30 anos e estando previsto duplicar novamente até ao fim da primeira década do terceiro milénio.

[A indústria de pasta e papel] Está colocada, mundialmente, entre as dez primeiras indústrias de transformação, representando 2.5% da produção industrial e  mais de 3% do comércio mundial. 
(...)


Portugal, apesar da sua reduzida dimensão geográfica, tem um significativo posicionamento internacional neste sector, principalmente na celulose onde, em 1998, foi o 16º produtor mundial e o 7º produtor europeu. No papel, ocupou a 30ª posição mundial e a 15ª posição europeia.
(...)

Das espécies florestais mais difundidas no país, têm apenas aptidão para serem utilizadas como matéria prima da indústria papeleira, o pinho e o eucalipto, com especial destaque para este último, representado pelo Eucalypus globulus, cuja pasta branca é considerada a melhor do mundo para o fabrico de uma vasta gama de papéis, com particular destaque para os de escrita e impressão e para os tissue.

É um título de honra para a engenharia portuguesa o facto de ter sido em Portugal, na década de 50, e com o exclusivo contributo de engenheiros portugueses, que foram investigadas, concretizadas, consolidadas  e desenvolvidas as condições processuais que fizeram das pastas de eucalipto, o sucesso mundial que é actualmente reconhecido.

Este sucesso foi o motor do desenvolvimento da indústria, com sucessivos aumentos de capacidade instalada e fortes pressões sobre a procura de matéria prima, com a correspondente inflação de preços da madeira de eucalipto, que se transformou numa das mais caras a nível mundial, desgastando a competitividade da indústria portuguesa."


*     *     *


O trecho citado foi extraído da seguinte publicação:

"As Indústrias Químicas em PortugalPerspectivas para o Século XXI"

de Fernando Ramôa Ribeiro

Edição/reimpressão: 2007
Páginas: 174Escolar Editora

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...