Patrocinador oficial:

__________________________________________________________________________________________________________________________

Sobre a próxima onda de inovação na indústria química, e o dilemas dos grandes produtores em abraçar os materiais do futuro




"O mundo poderá estar potencialmente à beira de uma era de novos e poderosos materiais, pela mão da inovação no setor químico. 

(…) Para entender o dilema que enfrenta a indústria química hoje, é preciso entender o seu passado, nomeadamente a sua história desde a Segunda Guerra Mundial, a qual pode ser dividida em duas partes. O primeiro período (da década de 1950 até a década de 1970) abrange uma época de constante inovação. Foram descobertas e comercializadas dezenas de novos produtos químicos e compostos nesta altura. A maioria destes eram plásticos e polímeros, muitos derivados de hidrocarbonetos, particularmente petróleo. O alto valor dessas inovações permitiu ao setor químico desempenhar um papel fundamental na atividade económica global.

Tubos de PVC

(…) Após 1980, no entanto, o pipeline de novos produtos secou em grande parte. Durante os 30 anos seguintes, até 2010, as empresas de produtos químicos concentraram-se no crescimento através da expansão global. Começou com o crescimento liderado pela procura na Coréia e em Taiwan e depois na China, seguidos por novos mercados do meio-Oriente rico em petróleo (e, portanto, favorecido). À medida que essas regiões realizavam novos e ambiciosos projetos, muitas empresas químicas ocidentais transferiam a produção para essas regiões. Descobriram que os retornos do investimento nos mercados emergentes eram superiores aos retornos dos gastos com investigação e desenvolvimento (R&D) (…) A inovação não era uma preocupação primária.

(…) Mas, depois da crise financeira de 2008, a globalização fica paralisada. À medida que os seus produtos se transformaram em commodities as empresas de produtos químicos expandiram-se através de várias aquisições e fusões. Como resultado, muitos negócios de produtos químicos são grandes e pesados. Os seus fundos de R&D são muito escassos para que eles possam competir contra empresas mais empreendedoras e projetos de R&D de longo prazo com resultados incertos. Eles contam com receitas de produtos químicos mais vendidos que têm décadas de idade. O cloreto de polivinilo (PVC) foi inventado em 1913, o polietileno em 1936 e o polipropileno em 1954. Mesmo as especialidades químicas que são altamente lucrativas quando introduzidas pela primeira vez - incluindo muitos aditivos, pigmentos e policarbonatos - podem facilmente se tornar commodities.

Siliceno


Enquanto isso, a inovação no mundo dos materiais adotou uma nova vida - em grande parte fora do setor químico estabelecido. Por exemplo, a revolução da nanoescala - as descobertas notáveis de materiais de dois átomos unidimensionais, como o grafeno ou o siliceno - resultaram em novos materiais mais leves, mais fortes, mais maleáveis e mais resistentes à temperatura do que qualquer produto químico na história. Mas, apesar de suas potenciais aplicações em tecnologia, saúde, bens de consumo, meio ambiente, etc o seu potencial de lucro imediato ainda é desconhecido. Algumas startups e centros de pesquisa académica estão a realizar a maior parte do R&D nesses novos materiais - e ganhando a maior parte das receitas iniciais com elas. Estes estão, de facto, a desenhar os contornos de uma nova indústria química. As principais empresas de produtos químicos, com seus centros de R&D encontram-se num estado de negligência, e são pouco envolvidas nesta dinâmica.


(...) A  revolução dos plásticos foi tão moderna que sustentou as empresas de produtos químicos durante décadas. Com o advento de novos materiais e suas extraordinárias possibilidades, as empresas de produtos químicos enfrentam outro momento transformador. Eles devem escolher o que ser na idade dos novos materiais: testemunhas ou líderes."


Artigo completo: Vijay Sarathy, Jayant Gotpagar, Marcus Morawietz - The Next Wave of Innovation in the Chemicals Industry - Strategy Business (Artigo)

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...