Sobre a tecnologia de reciclagem molecular MoReTec da LyondellBasell, e a respetiva unidade piloto que recicla até 10 kg de polímeros por hora



A LyondellBasell iniciou uma instalação de reciclagem molecular em Ferrara (Itália) em setembro de 2020. A tecnologia de reciclagem molecular MoReTec de propriedade da LyondellBasell visa retornar os resíduos plásticos pós-consumo à sua forma molecular para uso como matéria-prima para novos materiais plásticos que oferecem aplicações expandidas, incluindo embalagens médicas e alimentares.

O desenvolvimento do MoReTec faz parte da estratégia da empresa para impulsionar uma das metas mais ambiciosas da indústria: produzir e comercializar anualmente dois milhões de toneladas métricas de polímeros reciclados e renováveis até 2030.

(...) Os trabalhos na tecnologia MoReTec começaram no Houston Technology Center (HTC), nos Estados Unidos, onde foram selecionados vários tipos de catalisadores potencialmente adequados para a tecnologia de reciclagem molecular. O desenvolvimento desta tecnologia avançada de reciclagem de plásticos continuou num piloto na Alemanha, combinando os sistemas catalisadores da LyondellBasell no centro de P&D em Frankfurt e o reator no Instituto de Tecnologia de Karlsruhe (KIT). A planta piloto de Ferrara, que é capaz de processar entre 5 e 10 quilos de resíduos plásticos domésticos por hora, visa aproveitar a investigação em curso, estando os catalisadores mais promissores.
_____
Fonte: CEFIC


A tecnologia MoReTec




Vídeo explicativo da tecnologia MoReTec

Coluna 'Ver para Crer' BEQ (2021.9): visualizando ultrassons através da técnica óptica de Schlierin

 

Visualization of Ultrasound Waves Using Schlieren Effect and Stroboscopic Effect from r/educationalgifs


* * *

Corroborando a máxima de que uma imagem vale mais que mil palavras, a coluna 'Ver para Crer' BEQ tem por objetivo divulgar conteúdos multimédia cativantes que possam elucidar dos diferentes fenómenos e contextos em que a engenharia química tenha uma palavra a dizer, seja de forma direta ou meramente simbólica.



Sobre a refinação de açúcar na região do Porto (Portugal), a função de entreposto do açúcar brasileiro, e a empresa RAR como herdeira desse papel histórico


" O Porto pela sua profunda ligação ao Brasil foi ao longo do século XVIII um importante entreposto do açúcar brasileiro, aqui se descarregando muitas barricas de melaço que ajudaram a criar o mercado interno e externo neste sector e a responder à procura entretanto suscitada. Dada a proliferação da cana-sacarina noutras colónias, o açúcar brasileiro perdeu rapidamente a importância mundial que momentaneamente desempenhara. mas o Brasil foi durante dois séculos o principal abastecedor do mercado português. Nesses contactos coloniais radica a indústria de refinação do Porto, já que esta actividade se circunscreveu na metrópole praticamente aos dois portos onde podiam ser desalfandegadas as mercadorias desde os tempos pombalinos — Lisboa e Porto, uma concentração geográfica derivada dos condicionalismos de transporte.

«Pequena indústria», assim se classificava a refinação de açúcar no Porto nos documentos oficiais do século passado. quando se referiam aos 22 pequenos estabelecimentos existentes em 1881, ou aos 23 inventariados para 1890. Esta-belecimentos de refinaria que na globalidade não atingiam 100 trabalhadores (exactamente 93. em 1890) e estavam apenas equipados com caldeiras e fornalhas, pois só um dispunha desse equipamento elementar que eram os filtros para a calda. 

A modernização mecânica. que em Portugal só aparece como uma atitude sistemática. ainda que ligeira, por parte dos empresários nos inícios do século XX para a maioria dos sectores de actividade, teve. pois, dificuldades inusitadas no campo da refinação do açúcar. Quer por que era atacada pelos operários, quer pelos próprios proprietários de refinarias manuais, que tinham na pulverização e na exploração do operariado o campo adequado para sobreviverem.

Nos anos 50 [do século XX], o panorama na refinação do açúcar era claramente dualista: ao lado de algumas unidades fabris bem apetrechadas. subsistia a indústria manual ou uma indústria mecanizada mas deficiente e obsoleta. Em 1960 eram 14 as unidades no Porto. 7 em Lisboa, 1 em Braga e 1 em Aveiro. pelo que o dualismo se continuava praticamente a manter também no domínio geográfico. "

_____
Fonte: J.F. Alves, A indústria de refinação de açúcar no Porto - Um percurso amargo e doce, Título: A Indústria do Porto em Perspectiva Histórica, 1998

 

A RAR  e a refinação de açúcar no Porto


A RAR Açúcar dedica-se à refinação e comercialização de açúcar e foi fundada em 1962, no Porto, a partir da concentração de nove pequenas unidades de refinação de açúcar da região norte. Em 1973, com a aquisição de outra grande unidade de refinação - a Refinaria Angola - torna-se um operador de referência nacional.

A concentração da atividade numa única unidade produtiva e os sucessivos investimentos em tecnologia permitiram à empresa um grande aumento da capacidade produtiva e assinaláveis ganhos de eficiência. (...)  Com uma capacidade produtiva instalada de 160 000 toneladas/ano, a RAR Açúcar comercializa diversos tipos de açúcar produzido a partir da rama de cana-de-açúcar, com diferentes utilizações e finalidades e para diversos segmentos de mercado, designadamente, indústria e distribuição.

_____
Fonte: COMPETE 2020

Sobre a atividade em Espanha da petrolífera Repsol, a sua história desde a fundação, e o arranque da expansão internacional

 

A petrolífera espanhola Repsol emprega mais de 16 mil pessoas em Espanha, onde possui 5 refinarias e mais de 3300 postos de abastecimento de combustível.  Para além disso, possui também blocos de exploração e produção em Espanha, tais como os campos de Lubina e Montanazo. Localizada no Mediterrâneo e operada a partir da plataforma de Casablanca, a sua produção líquida é de 1 320 barris de óleo equivalente por dia.

A empresa afirma-se na liderança de entre as empresas europeias integradas no que diz respeito à eficiência e à criação de valor. E afiança ter conseguido melhorar a excelência operacional por meio de investimentos em larga escala nos seus cinco complexos industriais: A Corunha, Tarragona, Puertollano, Cartagena e Bilbao. 

A Repsol reclama a liderança do mercado de produtos químicos na Península Ibérica, centrando a sua atividade na produção e comercialização de uma grande variedade de produtos especializados de alta qualidade. Tem duas fábricas de produtos químicos em Espanha: uma em Puertollano e outra em Tarragona, onde (e por meio de outras subsidiárias e afiliadas) fabrica compostos de polipropileno, produtos químicos especializados e borracha sintética.


A história da Repsol




Antes da Repsol existir como empresa privada, já aceitava desafios com entusiasmo e empenho. (...) Desde a constituição da Campsa, em 1927, até à evolução da Hispanoil, quando o mercado se abriu à livre concorrência nos anos 80, as bases da Repsol que hoje conhecemos foram assentadas ao longo de seis décadas.

Em meio à turbulência política na Espanha, a Campsa (Compañía Arrendataria del Monopolio de Petróleos S.A.) foi criada em 1927 para administrar o monopólio estatal do petróleo. (...) A criação da Campsa teve um efeito profundo no crescimento industrial espanhol, especialmente na indústria de refinação.

(...) Em 1942, o controlo do monopólio foi transferido para o INI, e o estado consolidou sua participação em empresas de hidrocarbonetos. Em novembro do mesmo ano, a empresa ENCASO (Empresa Nacional Calvo Sotelo) foi constituída sob a forma de sociedade por ações e iniciou as atividades em Puertollano e Levante, onde se iniciou a construção da refinaria de Cartagena.

O ano de 1947 foi importante para a indústria petrolífera espanhola. Após 20 anos de gestão conjunta, o monopólio do petróleo foi reorganizado e a participação do Estado na CAMPSA foi reforçada. Em 1951, a empresa REPESA foi formada e lançou uma linha de lubrificantes premium sob a marca REPSOL


Refinaria de petróleo bruto pesado da ASESA (Asfaltos Españoles) inaugurada em 1968. 
Localizada em Francolí, na província espanhola de Tarragona.


A década de 1960 foi um período decisivo para o crescimento do setor de energia da Espanha. Em primeiro lugar, o setor privado recebeu autorização para construir três refinarias. Isso marcou o primeiro passo para o desenvolvimento do setor de refinação. Além disso, em 1964 foi descoberto petróleo pela primeira vez em La Lara, em Burgos.

A abertura definitiva ao mercado internacional surge com a aquisição da petrolífera argentina YPF em 1999. Essa sinergia resultou numa empresa com alcance global e forte posicionamento estratégico. Descobertas importantes foram depois anunciadas em regiões como Líbia, Espanha, Argentina, Venezuela, Bolívia e Indonésia. Em 2009, a empresa colocou em andamento o projeto de regaseificação Canaport LNG no Canadá. Em 2010, a Repsol assinou um acordo com a Sinopec para a realização de operações de exploração e produção no Brasil que nos tornou uma das maiores empresas energéticas da América Latina.

Revista de imprensa BEQ (2021.10): mitos do hidrogénio, exportação de gás natural, combustível de H2+CO2, e RAR cinde COLEP

 


" O hidrogénio vai tornar a eletricidade dos portugueses mais cara? A dívida tarifária vai aumentar com a introdução do hidrogénio verde em Portugal? Portugal pode controlar o preço da eletricidade no mercado grossista ibérico de eletricidade com políticas energéticas nacionais? O preço da eletricidade de origem eólica permanecerá nos 80 euros/MWh até 2032? O hidrogénio verde é uma tecnologia “imatura”?


"O Sistema Nacional atingiu um novo máximo mensal de exportação de gás natural em março, com 828 GWh, face aos 505 GWh atingidos em abril de 2020, e também o maior valor diário de sempre com 47,7 GWh, no dia 24, que compara com os anteriores 42 GWh de 21 de janeiro de 2020", apontou, em comunicado, a REN. O terminal de gás natural liquefeito (GNL) de Sines foi, neste período, o maior abastecedor do sistema nacional."


"Os primeiros testes foram feitos ontem, em pista, na Holanda, com carros de corrida. A ExxonMobil pôs o combustível e a Porsche os motores. As duas empresas anunciam investimentos da ordem dos 24 mil milhões de euros na descarbonização automóvel"


"A fabricante de embalagens e de “contract manufacturig” de produtos de consumo Colep, que tem fábricas em oitos países e emprega 2.500 pessoas, vai separar estes negócios, os quais contribuem com o grosso das vendas de quase 800 milhões de euros do grupo de João Nuno Macedo Silva. (...) Detida na totalidade pelo grupo RAR, o qual é controlado em 90% por João Nuno Macedo Silva, a Colep decidiu agora separar o negócio de embalagens do de "contract manufacturing" de produtos de consumo.

Coluna 'Ver para Crer' BEQ (2021.8): o contraintuitivo escoar descendente do fumo exalado pela combustão de incenso por ser mais denso que o ar

 

Smoke dripping like water. from r/oddlysatisfying


* * *

Corroborando a máxima de que uma imagem vale mais que mil palavras, a coluna 'Ver para Crer' BEQ tem por objetivo divulgar conteúdos multimédia cativantes que possam elucidar dos diferentes fenómenos e contextos em que a engenharia química tenha uma palavra a dizer, seja de forma direta ou meramente simbólica.



Sobre a empresa 1PointFive, a missão de escalar a captura, purificação e armazenamento de CO₂ a partir do ar, e a tecnologia DAC proposta para esse fim


A 1PointFive foi formada para conter o aumento das temperaturas globais com a comercialização dem escala industrial das unidades da Carbon Engineering's Direct Air Capture (DAC). A missão da emrpesa é tornar-se o líder no desenvolvmento de instalações DAC em todo o mundo. A tecnologia DAC capta o ar atmosférico e, em seguida, por meio de uma série de reações químicas, extrai o dióxido de carbono (CO) e retorna o resto do ar ao ambiente.

A empresa lidera uma iniciativa que visa compatibilizar a infraestrutura essencial DAC com outras inovações na captura de carbono, aumentar a eficiência energética e a utilização de carbono, e fazê-lo como um método escalável e económico, com vista à estabilização do clima.


A tecnologia DAC para captura e purificação de CO₂ 



 O sistema funciona captando ar para um grande sistema de contator de ar, que se parece com uma torre de arrefecimento pela série de ventiladores gigantes. O ar entra em contato com uma solução de hidróxido de potássio onde ocorre uma reação química. É aqui que as moléculas de CO₂ se ligam quimicamente ao hidróxido de potássio, prendendo-as numa solução líquida.

CO₂ recolhido nesta solução sob a forma de carbonato é então submetido a uma série de processos químicos para aumentar sua concentração e pressão, sendo portanto purificado e comprimido. Do processo resulta CO₂ gasoso sob pressão pronto para ser usado ou armazenado no subsolo.

Tudo isto é feito num sistema que usa equipamentos e processos conhecidos de outras grandes indústrias e reutiliza continuamente os mesmos produtos químicos de captura. Isto torna-o uma ferramenta escalável e acessível para capturar grandes quantidades de CO₂ do ar.

Sobre uma estratégia melhorada para o projeto de colunas de destilação, com mais enfoque no efeito da pressão sobre zonas de pinch/azeótropo

 

A destilação continua a ser uma das tecnologias de separação térmica mais importantes, amplamente aplicada, mas com uso intensivo de energia. As características contraditórias de extensa aplicação e intensificação de energia da destilação impulsionam o estudo em direção à economia e conservação de energia.

(...) O projeto de processos químicos, visando a otimização de parâmetros de projeto e operação, é uma das atividades mais criativas e desafiadoras. A seleção da pressão de operação é a primeira e provavelmente a mais importante decisão, especialmente para o projeto de destilação, conforme abordado em qualquer monografia de projeto de processos químicos [30-33]. Normalmente, para projetar uma coluna de destilação conforme a pressão diminui, as curvas do ponto de bolha e do ponto de orvalho geralmente distanciam-se mais e, portanto, a volatilidade relativa aumenta. Consequentemente, a pressão deve ser tão baixa quanto possível, o que permite a temperatura de vapor fique acima de pelo menos 40-50 ºC, o que permite o uso de água de arrefecimento relativamente barata (35ºC). (...) Para sistemas com componentes bastante leves, a pressão de operação uma temperatura de refluxo de 40-50 ºC é bastante alta e aproxima-se da pressão crítica dos componentes principais. A pressão de operação é comumente ajustada para metade da pressão crítica e, portanto, refrigeração ou recompressão de vapor pode ser necessária [34].

(...) As abordagens para selecionar a pressão de operação dependem da experiência e heurísticas comuns. Para algumas misturas que apresentam zona de pinch numa determinada seção da composição, ou em que há um ponto azeotrópico que desaparece com as variações de pressão, é necessário um maior consumo de energia, mesmo para destilação binária convencional, devido à negligência da característica especial. Ou seja, a possibilidade de um pinch / azeótropo sensível à pressão (mesmo em sistemas comuns) deve ser investigada cuidadosamente para obter benefício económico.

Diagramas T-xy e xy para sistemas com pinch/ azeótropo sensível à pressão: (a) sistema de acetona / água.


(...) Às vezes, o pinch existe e é um recurso bastante importante para sistemas binários. A zona de pinch mostra que a composição de vapor de equilíbrio é muito próxima da composição líquida, que é semelhante à característica azeotrópica. Isso sugere uma separação bastante difícil que requer estágios enormes para alcançar ou exceder a zona de pinch. Felizmente, se a zona de pinch for sensível à pressão de modo que a curva de vapor de equilíbrio possa estar mais longe da curva de líquido por meio da mudança de pressão, os andares podem reduzir-se significativamente. (...) O azeótropo sensível à pressão apresenta que a composição azeotrópica muda significativamente conforme a pressão muda. Especificamente, o azeótropo pode desaparecer à medida que a pressão varia abaixo / acima de um certo valor. Esta situação sugere que a pressão de operação deve ser selecionada com muito cuidado.

Investigadores da Academia Chinesa de Ciências e da Universidade da Academia Chinesa de Ciências propuseram um procedimento de projeto sistemático  para melhorar o projeto de destilação para uma mistura com pinch / azeótropo sensível à pressão. Para demonstrar o procedimento apresentado, três tipos diferentes de sistema foram investigados. Revela-se que o procedimento convencional pode produzir arbitrariamente um desenho não econômico, e que o procedimento proposto, complementando totalmente o convencional, é capaz de evitar essa situação adversa e confere um desenho económico.

____
Fonte: M. Xia, H. Shi, C. Niu, Z. Ma, H. Lu, Y. Xiao, B. Hou, L. Jia, D. Li, The importance of pressure-sensitive pinch/azeotrope feature on economic distillation design, Separation and Purification Technology, 250 (2020) 116753.

Produto BEQ do mês (04/2021): copo Levitating X que desafia a gravidade através de levitação magnética, e aprimora a experiência em torno de uma bebida

 

O copo flutuante de vidro da Levitating X, que usa levitação magnética recarregável sem fios, aprimora a experiência em torno da bebida sem ter de lhe realçar o sabor. Agora você pode criar um espetáculo que desafia a gravidade em torno de sua bebida favorita, que é tão único quanto o conteúdo dentro.

Graças à avançada tecnologia de levitação que desenvolvemos, nossas xícaras flutuam magicamente acima de nossa base com ou sem fio, permitindo que você sirva bebidas no ar e impressione seus convidados. Nosso LevitatingCUP usa levitação magnética, também chamada de “Suspensão Eletromagnética”, na qual eletroímãs são usados para estabilizar o copo flutuante acima da base.

Sobre este item:

  • Uso para cocktail, vinho, uísque, sumos, leite, etc;
  • Volume de 350ml;
  • Vidro falso à prova de estilhaços;
  • A base carregável sem fio permite que você levite sem estar conectado.

Coluna 'Ver para Crer' BEQ (2021.7): centrifugação manual de materiais em suspensão

 

Manual centrifuge

  * * *

Corroborando a máxima de que uma imagem vale mais que mil palavras, a coluna 'Ver para Crer' BEQ tem por objetivo divulgar conteúdos multimédia cativantes que possam elucidar dos diferentes fenómenos e contextos em que a engenharia química tenha uma palavra a dizer, seja de forma direta ou meramente simbólica.