Sobre a degradação de polímeros nas artes plásticas



image

Desde a sua invenção no fim do século XIX, os plásticos têm sido utilizados por artistas e designers, e, à medida que os polímeros foram surgindo, a arte incorporou estes materiais no seu universo, tirando proveito das respectivas propriedades.

Contudo, quando comparados com materiais como o bronze ou a pedra, os plásticos são claramente mais vulneráveis à degradação. 

Para começar, quase todos os tipos de plásticos escurecem com o tempo. Depois, a presença combinada de água e oxigénio juntamente com flutuações de temperatura e luz provocam a ruptura dos polímeros que constituem o material plástico.  Finalmente, os aditivos com fins de proteção da radiação ou do calor começam também a abandonar as peças de plástico, modificando-lhes as propriedades.

Existem 4 tipos de plásticos particularmente sensíveis à degradação. Dois deles fazem parte dos primórdios da história dos plásticos: o acetato de celulose e o nitrato de celulose. O terceiro é um dos plásticos mais produzidos mundialmente, o cloreto de polivinil (PVC), e o quarto é a espuma de poliuretano, a qual devido à elevada porosidade é também  muito susceptível de degradação.


image

Um dos principais desafios da preservação dos plásticos usados em obras de arte resulta das especificidades de cada tipo de polímero em termos de tratamento contra a degradação, a qual esbarra muitas vezes no desconhecimento da composição usado pelos artistas.

As equipas de conservação não têm outro recurso, muitas vezes, a não ser identificar os plásticos e aditivos pelo seu odor. Certos aditivos usados no PVC dão a este material o cheiro a “carro novo”, o acetato de celulose cheira a vinagre e o poliester tem um odor que lembra geleia de framboesa, canela e borracha queimada.

Alguns artistas já estão a ter em linha de conta aspectos químicos de conservação dos plásticos nos seus trabalhos, mas os cursos de arte não costumam alertar para esta tema por considerarem que é um assunto limitador da criatividade.

Enquanto isso, os cientistas que trabalham na conservação de obras de arte nos museus reúnem esforços para encontrar as melhores estratégias para a protecção das artes plásticas. Tudo para que os visitantes possam continuar a apreciar a arte polimérica nos próximos anos e séculos, como parte do património artístico da humanidade.

Fonte: Chemical & Engineering News

0 comentários: