Patrocinador oficial:

__________________________________________________________________________________________________________________________

Sobre o desnivelamento de preços no gás natural devido ao gás de xisto dos EUA, em números


A erupção do gás de xisto não para de dar que falar no universo da indústria química e petroquímica.

Este já foi tema de publicações no Blogue Engenharia Química, sob os títulos "Sobre o gás de xisto e o renascimento da indústria dos EUA" e "Sobre o pipeline de 4830 km da Dow Chemical em torno do Golfo do México, e respectivos planos de expansão", onde se falou em detalhe sobre o assunto na perspectiva da economia e indústria norte-americana.

Mais recentemente abordou-se também o tema à luz da realidade brasileira, em publicações como "Sobre as repercussões económicas do elevado custo do gás natural no Brasil" e também em "Sobre os "momentos decisivos para a indústria química" brasileira (Opinião)"

*     *     *

Revisita-se agora o assunto apresentando números, para que melhor se perceba o desnivelamento que o gás de xisto está a provocar no mercado de gás natural:

Preço do gás natural em diferentes países

A vantagem dos EUA é evidente, e a indústria química desse país pretende reservar a vantagem dos preços só para si através do incentivo à não exportação de gás natural por parte dos EUA, a qual nivelaria os preços a nível de mercado global de energia. [1]

Pese embora a figura acima não traçar os preços do mercado europeu, a europa encontra-se também em desvantagem, tal como se deu conta nesta publicação "Sobre a subida do preço de energia na indústria química alemã e a consequente perda de competitividade"

A título de exemplo, refira-se o caso da produção de etileno, que é um gás precursor da indústria dos polímeros. Na Europa o custo de produção de um quilograma deste gás é de 1.10 dólares, enquanto que nos EUA o mesmo quilograma é produzido por 0.26-0.33 dólares. [1]

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...