Sobre a produção de neve artificial para fins de turismo e desporto de inverno: aspectos técnicos e algumas características e factos sobre esta prática




A tecnologia de produção de neve envolve o uso de nucleadores que produzem uma mistura de água e ar comprimido que forma núcleos de neve (nuclídeos) ao entrar na atmosfera. Os bocais dos canhões de neve atomizam a água em gotículas finas que se combinam com os nuclídeos e congelam na forma de pequenos cristais de neve a caminho do chão. Esta queda é simulada diferentemente por diferentes tipos de canhões de neve. Os canhões de ventoinha são equipados com um ventilador de ar para este propósito, enquanto as lanças de neve recorrem à queda natural de um alturas de até 10 metros.

Tal como acontece com a queda de neve natural, a temperatura do ar e a humidade do ar precisam de cumprir certos requisitos para a produção técnica (artificial) de neve. O termo usado na tecnologia de produção de neve é, portanto, a temperatura de bulbo húmido, que expressa a razão entre a temperatura e a humidade relativa do ar. A temperatura de bulbo húmido está sempre abaixo da temperatura externa. Quanto mais húmido está o ar, menor a quantidade de água que ele pode ainda absorver, e mais baixa a temperatura tem de estar para formar cristais de neve a partir das finas gotas de água.



Os canhões de neve da TechnoAlpin começam a produzir neve a partir de uma temperatura de bulbo húmido de -2,5 ° C. Caso a humidade atmosférica seja muito baixa, esse nível pode ser alcançado com temperaturas ligeiramente acima de 0 ºC, mas se a humidade do ar for alta, temperaturas abaixo de zero são necessárias.

As temperaturas em torno do ponto de congelamento são referidas como temperaturas limítrofes ou temperaturas limite. A temperatura da água também é um fator chave, especialmente nessas temperaturas limite. Torres de arrefecimento são usadas para atingir a temperatura ideal da água e aumentar a eficiência de um sistema de produção artificial de neve.

Fonte: Techno Alpin


Algumas características e factos adicionais sobre a produção de neve artificial: 


  • Com uma densidade de 300-500 kg / m³, a neve artificial é quatro vezes mais dura que a neve natural (De Jong, C. 2010).
  • Substâncias adicionais podem ser misturadas à água para manter a neve artificial a temperaturas acima de 0 ° C.  [...] Por exemplo, em algumas regiões dos Alpes, a bactéria americana Pseudomonas syringae é introduzida no água para poder produzir neve artificial a temperaturas mais altas. As bactérias são inativados por radiação e então utilizadas como germes de cristalização para poupar energia (ROCHLITZ 1989 em Doering, A. et al (1996)). O uso dessas bactérias é proibido na Alemanha, mas geralmente é difícil de detetar;
  • Os investimentos em sistemas de neve artificial podem requerem entre 15 e 20 anos de amortização, tendo em conta pelo menos 100 dias por ano de neve com temperaturas abaixo de -3 ° C;
  • A produção de neve artificial de um m³ custa 2,50 €, incluindo trabalho de escavação e nivelamento, eletricidade para compressores e canhões, e compactação (Canardages (2010));
  • A criação de neve artificial visou inicialmente a compensação pela falta de cobertura com neve natural , mas evoluiu para um procedimento de rotina com vista a cobrir pistas de esqui inteiras antes do início da queda de neve natural para garantir a certeza da neve durante toda a temporada (dezembro a abril) (Bürki et al 2008 in De Jong, C. (2009)).
and economical aspects, 2017, University of Life Sciences and Natural Resources Vienna, Austria

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...