Patrocinador oficial:

__________________________________________________________________________________________________________________________

Sobre novas espécies vegetais como fonte de agentes de curtimento de couro, e as folhas de oliveira como caso de estudo dessa aplicação



Em tempos idos, o BEQ fez uma publicação intitulada "Sobre o contributo da eng. química na evolução do processo de tingimento de pele animal (couro)", onde se mostrava "o contributo que a engenharia química (mas também mecânica) vieram trazer ao processo no sentido de o tornar menos exigente para o operador. A mecanização e aprimoramento da indústria têxtil veio substituir muita precariedade laboral por um trabalho tecnicamente mais evoluído e fisicamente menos exigente."

Voltamos agora ao assunto, para dar conta de uma investigação europeia que visou identificar novas espécies vegetais promissoras como fonte natural de taninos para curtimento de couro, com vista a dotar de maior sustentabilidade e segurança este tipo de processamento.

* * *

Rubi fruticosus (Amoreira-silvestre ou silva), uma 
das plantas com extratos promissores para tingir couro


A seleção do agente de curtimento para o processo de curtimento depende do produto de couro a ser produzido, nomeadamente os seus requisitos durante a produção e uso posterior, mas também o preço e a disponibilidade (em escala). Embora 80% a 90% do couro produzido em todo o mundo seja curtido com sais de cromo (III) (Bilitewski et al., 2012), os agentes de curtimento de vegetais são também usados. 

Os agentes de curtimento vegetais podem ser combinados com agentes de curtimento à base de minerais ou aldeídos para criar as características necessárias no couro, como rigidez ou resistência aos raios UV. Na Europa, os agentes de curtimento de vegetais são principalmente aplicados em produtos de couro premium. Para isto, extratos líquidos são produzidos por extração de partes de plantas selecionadas, como casca, madeira, folhas, raízes ou frutos (Moog, 2005), seguindo-se um passo adicional de concentração e secagem desse extrato líquido.

Durante o processo de curtimento, os taninos dos extratos difundem-se no couro do animal e interagem com o colagêneo da pele do animal. Esta complexação resulta numa estabilização da pele do animal, sendo esse o objetivo da etapa de curtimento. Assim, quanto maior o teor de taninos (TC) de um extrato maior sua eficácia no curtimento.

(...) Uma investigação produzida pelos investigadores alemães abaixo identificados incidiu sobre ervas medicinais europeias como possíveis recursos para taninos vegetais e seu uso na produção de couro, mas também para outras aplicações, como na indústria alimentícia, farmacêutica ou química. Uma revisão detalhada da literatura foi realizada para identificar espécies vegetais com teores promissores de taninos. No total, 47 ervas medicinais europeias foram identificadas para uma análise mais aprofundada. O género Fragaria (morangueiro), as espécies Alchemilla vulgaris e Rubi fruticosus (Amoreira-silvestreou silva) foram identificados como novos potenciais fontes naturais para o curtimento de couro.

Fonte: Markus Maier, Anna-Luisa Oelbermann, Manfred Renner, Eckhard Weidner, Screening of European medicinal herbs on their tannin content—New potential tanning agents for the leather industry, Industrial Crops and Products, 99 (2017) 19-26.


* * *

  • Wet Green, uma empresa de extratos de oliveira para curtir couro:


A empresa alemã Wet Green explora comercialmente um agente natural de curtimento designado wet-green® OBE. Este foi desenvolvido e patenteado pela empresa e consiste num concentrado de base vegetal produzido a partir de um extrato aquoso de folhas de oliveira. Os agentes ativos de curtimento são os mesmos presentes em alguns artigos cosméticos naturais e em azeite extra-virgem.

Os extratos são orientados para o mercado do couro premium, e têm como argumentos o facto de resultarem de subprodutos da exploração de oliveiras (ao invés do cultivo de oliveiras para este fim). Acresce também o argumento de que o produto está certificado relatavimente a compatibilidade cutânea (Dermatest), o que proporciona uma garantia de qualidade e segurança aos consumidores e fabricantes do couro tratado com este produto de base vegetal.




0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...