Patrocinador oficial:

__________________________________________________________________________________________________________________________

Sobre as mudanças na engenharia desde 1976, o ensino e lacunas da formação em engenharia, e a necessidade de líderes engenheiros (Samuel C. Florman)



"Ainda assim, a engenharia mudou desde 1976, e parece apropriado aqui considerar algumas das mudanças que ocorreram. Tecnicamente, a profissão avançou, embora de forma incremental e não em qualquer sentido radical. O computador é uma presença dominante, mas já era muito importante em 1976. Novos termos são abordados: gestão da qualidade total [TQM], information highway ["autoestrada de informação"], controlo estatístico da qualidade, design de produção e assim por diante. Mas no essencial, a educação de engenharia e a prática de engenharia não foram fundamentalmente transformadas. De fato, uma das principais características da engenharia desde 1976 é que ela não mudou tanto quanto deveria ter mudado.

(...) À medida que nossos problemas económicos pioram e as queixas sobre nossas falhas tecnológicas se intensificam, a crítica é cada vez mais focada na fonte de nosso talento técnico - escolas de engenharia americanas. As falhas percebidas nos nossos engenheiros graduados são anunciadas com maior urgência: falta a aptidão para projeto, concentrando-se demais na análise e resolução de problemas; eles não entendem a realidade da produção, eles são comunicadores pobres, têm pouca compreensão dos negócios e da política, e estão desinformados sobre culturas estrangeiras e assuntos mundiais. Numa altura em que precisamos de engenheiros líderes e líderes que entendem a engenharia, também não os estamos produzindo.

(...) Um terço dos engenheiros franceses entra no governo, finanças, marketing, bancos e seguros. Noutras nações líderes, incluindo o Japão e a Alemanha, os engenheiros são encontrados em cargos de autoridade em toda a ordem social. Os Estados Unidos, em grande contraste, são dominados por advogados e MBAs. Obviamente, não podemos atribuir todos os nossos problemas a esta circunstância, mas tampouco podemos julgá-la satisfatória." 


The Existential Pleasures of Engineering - Samuel C. Florman  (Livro)
Edição de 1996 (primeiramente publicado em 1976)



0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...